ENTREVISTA COM A PSICOLOGA LIONETE LADEIRA

Hoje, o Espaço Holístico Odara inicia, a pedido de todos que visitam o nosso Blog, uma série de entrevistas sobre assuntos diversos, sugeridos pelos nossos seguidores. A nossa  primeira entrevista é com a Psicóloga Lionete Ladeira. A demora se deu por contas de nossas agendas e por se tratar de uma profissional extremamente requisitada, aqui em nossa cidade. Mas, hoje, estão aqui respondidas, de forma clara e esclarecedora todas as perguntas enviadas pelos nossos seguidores e visitantes do EH0. Espero que gostem e que continuem sugerindo entrevistas e, na medida do possível, as faremos!

089

LIONETE DE SOUZA LADEIRA,  é Maranhense, Mãe, Avó, Professora de Psicologia e Psicóloga, com graduações pela Universidade Santa Úrsula/RJ e Pós-Graduada pelo CDG/Pe.

“Conheça todas as teorias, domine todas as técnicas, mas ao tocar uma alma humana, seja apenas outra alma humana.”  Carl Jung

01-     Em sua opinião, qual é a missão profissional de um psicólogo?

R – A missão do psicólogo é cuidar e zelar pelo bem-estar psíquico das pessoas. No seu trabalho, o psicólogo, precisa ter compreensão dos processos psicológicos e sociais, os quais dão base para a conduta humana, tendo como principal objetivo a melhoria da qualidade de vida do indivíduo.

02- Qual é a sua filosofia de trabalho?

R – Proporcionar aos meus pacientes, recursos para que eles encontrarem conforto emocional e tenham paz interior.

03- Quais as dificuldades mais comuns para o estabelecimento de um consultório de psicologia?

R – As mesmas de todo profissional em início de carreira: Fazer-se conhecido e respeitado, sendo que, o psicólogo precisa de supervisão no seu início de atuação, para aprender levar a teoria para a prática. Burocraticamente é simples: Precisa estar registrado no CRP de sua Região e contratar um contador.

04-     Em sua opinião, como é possível medir o resultado dos instrumentos clínicos utilizados em um paciente? Como saber se estão resultando em algum benefício real?

R – A conduta do paciente é quem dá esse retorno ao profissional. Se ele mostra que está confortável consigo mesmo, sabe lidar com as questões que o levaram a procurar um profissional, o resultado está garantido. Em certos casos, o paciente sofre uma verdadeira remodelação da sua personalidade e isso é plausível ao psicoterapeuta.

562502_444413748979917_42997195_n

05- O que ainda falta no Brasil, para que a profissão seja mais divulgada e atenda a uma população maior?

R – Não vejo a profissão como pouco conhecida. Hoje, todos sabem quem é um psicólogo. A dificuldade de atendimento a uma população maior é, primeiramente, o número reduzido de profissionais na rede pública e o outro, é o custo para quem busca atendimento privado, uma vez que, o atendimento psicológico, segue uma sistemática de trabalho, que demanda um período de médio a longo prazo.

06-Como vê a atuação do CRP (Conselho Regional de Psicologia) e do CFP (Conselho Federal de Psicologia) para a profissão de psicólogo

R – Vejo como cada um cumprindo muito bem o seu papel.

 

07- Quais são os temas que a senhora está trabalhando em sua clínica?

R – O psicólogo não desempenha sua atividade profissional sobre temas. A psicologia, tem linhas analíticas, psicanalíticas, ou outras dentro de uma visão alternativa, que o profissional escolherá, por considerar mais adequada ao seu trabalho. Eu sigo a linha analítica do Jung, que é uma linha conscientizadora, contudo, dependendo do caso, posso utilizar a abordagem do Rogers, que é linha de apoio a um foco, como também, posso fazer-me valer de conceitos do Freud, e dessa forma, tenho o meu estilo próprio de trabalho, pois que o que me interessa é o resultado e me foco nisso!

388991_455894841158934_40063629_n

08- Quais as suas outras áreas de atuação profissional, além da clínica?

R – Trabalho ainda, com técnicas alternativas para o estresse, aprimoramento da cognição, mesmo em adultos e com regressão. Na área organizacional, trabalho com psicotécnico para admissão de pessoas e Desenvolvimento Interpessoal. Trabalho, também, com orientação vocacional e dou palestras.

09- Que dicas a senhora daria para alguém que está escolhendo uma profissão? A psicologia pode ajudar nesse sentido?

R – Com certeza a orientação vocacional ajuda. O psicólogo utiliza uma bateria de interesse, onde alguns profissionais complementam essa bateria, com testes de aptidão. Eu, opto por fazer uma análise da personalidade do estudante, com a carreira do seu interesse e a experiência me inclinou para isso.

10-Como uma pessoa deve se preparar para uma entrevista de trabalho, ou concursos?

R – Antes de tudo, ser o mais natural possível, diante do entrevistador, pois ele é uma pessoa experiente e percebe, perfeitamente, quando a pessoa quer mostrar uma coisa que não é. Outra: Só se deve candidatar a um cargo, para o qual a pessoa tem competência. Isso garante o desenrolar da entrevista, sem estresse. Boa aparência de higiene, trajes contidos, com acessórios neutros, maquiagem discreta e boa postura no andar, sentar, levantar, cumprimentar e humor leve, não são formulas, mas são pontos que ajudam.

554990_454599977968438_1754217746_n11- Como se dá o trabalho de psicólogos com dependentes químicos, atualmente no Brasil, na área de políticas públicas para a Saúde?

R – O Brasil não tem um programa compatível com a gravidade do problema. Compete ao psicólogo trabalhar as demandas emocionais, com apoio ao paciente e à família. Particularmente, não vejo empenho prático do governo em ajudar essas pessoas. O que, ainda, existe são ações isoladas e ineficientes. Mas existem algumas clínicas privadas e filantrópicas,  que trabalham com excelentes resultados.

12- A senhora acredita que esse trabalho seja suficiente? De que outras formas o psicólogo poderia contribuir?

R – Dentro das políticas públicas de saúde, não tem nada, nesse sentido, que seja suficiente, pois ainda depende-se muito da vontade do paciente. O psicólogo, como qualquer outro profissional, não consegue fazer nada sozinho; ele depende de um programa multiprofissional, envolvendo psiquiatra, terapeuta ocupacional, assistente social, pedagogos, enfermeiro e etc. O governo está tentando, mas ainda não encontrou o caminho certo.

13- Que outros trabalhos poderiam ser feitos com dependentes químicos de forma a não patologizá-los ou criminalizá-los?

R – Antes o usuário de drogas não respondia como criminoso, hoje, responde. Só tem o traficante, porque existe o usuário. Se vendem, é porque alguém compra, ou seja, existe aí uma parceria, então, não vejo como não incriminá-lo. Para evitar a patologia e a criminalização, só começando lá atrás, antes da pessoa entrar no esquema. Lá atrás na estrutura familiar, onde seja possibilitada ao jovem uma educação com boa expectativa de vida, valores morais, respeito, amor; algo nesse sentido. Qualquer dependente químico, precisa de internação, pois além de ser uma batalha dura, aonde envolvem uma série de outros fatores, é necessário deixá-lo fora do alcance dos traficantes, pois eles não dão trégua ao viciado.

images (42)

14- Como poderia ser feito um trabalho de conscientização para acabar com o preconceito relativo aos usuários de álcool e outras drogas na sociedade?

R – Preconceito… Não sei se é certo falar em preconceito. É desagradável e perigoso conviver com um usuário de drogas. As pessoas tem o direito de não quererem isso para si. Acho que as pessoas não tem que serem conscientizadas para aceitar e sim, respeitar, que é outra coisa. Tudo depende de como cada um, se vê frente a essa questão e esse posicionamento precisa ser respeitado. Será que a aceitação, a indulgência não favoreceria e acomodaria o usuário e o governo?

drogas_nem_morto

15- Bulling é uma palavra moderna para um tema antigo. A senhora acredita que o bulling sempre existiu?

R – O bulling sempre existiu. Como foi dito, o termo é novo, é moda, mas o problema é antigo.

16- É fato que a “sociedade é coercitiva em todas as suas instâncias”, mas conhecendo a sociedade, mesmo assim nos surpreendemos com os casos de bulling, por quê? Será se a mídia tem alguma influência na maneira como reagimos aos casos de bulling?

R – Viver em sociedade é isso: Acabamos sendo reflexo das pressões e é por isso que, cobranças que vem de dentro, pesam mais do que as de fora. O bulling, é um desses reflexos, que fazem com que um ser humano tenha prazer em ser perverso com o outro, e o pior, esse outro contribui, para que sejam perversos com ele. Quem se surpreende com o ato em si, é porque não assimilou a realidade por parecer chocante, mas ele é corriqueiro. O fato da mídia valorizar o assunto, não o torna pior ou melhor, ele existe e é muito ruim… A mídia apenas faz o papel dela: Informa.

Logo-Bullying17- Ouvimos muitos estudiosos afirmarem que a educação é umas das principais responsáveis pela mudança da sociedade, mas também vemos, que na escola os problemas e disparidades sociais podem se acentuar; como a escola pode atuar na diminuição dos casos de bulling?

R – A educação é tudo na vida do cidadão, para o bom ou para o ruim… Ninguém nasce com alguma bagagem de conhecimento consciente, tudo se aprende e isso é educação. A educação é para ser dada pela família, a escola é para dá instrução. Se a escola consegue colaborar com a família, ótimo, mas a família não deve delegar à escola a responsabilidade de educar o seu filho. Se a diferença social compromete as relações das pessoas, é porque na educação da criança faltou o conteúdo humanitário. Se a disparidade social se acentua dentro da escola, é porque o alicerce da criança assim o permite: A culpa é dos pais, que não ensinaram o filho a respeitar o outro como ser humano, não ensinaram que, se ele quer respeito para si, primeiramente, deve dar respeito ao outro, pois do contrário, ele está se julgando mais merecedor que o outro. Para a escola diminuir a prática do bulling, só com vigilância. Resolver o problema é responsabilidade dos pais, se fugir da sua capacidade, aí é caso para a polícia, assédio moral agora não é crime? Faça o criminoso pagar pelo seu ato!

Bullying-na-escola-violência

18- Em sua opinião, quais os erros e acertos por parte de pais e mães na educação das crianças e jovens atualmente?

R – O maior acerto é uma educação com prevalência dos valores humanitários, valores morais, com peso ao respeito pelos sentimentos alheios, valorização da vida, a consciência do limite do seu espaço; por aí. O maior erro, é a falta do que foi citado à cima.

19- Com o aumento do consumo do crack, cenário, que é considerado, hoje uma epidemia por alguns especialistas, de que forma a escola e a família podem ajudar crianças e adolescentes a evitar o vício?

R – A base de qualquer ser humano é a família. Se a família falha, dificilmente alguém, ou alguma instituição, irá conseguir evitar que o jovem enverede no mundo das drogas. Os apelos externos são muitos, pois os traficantes estão sempre à espreita, à caça dos vulneráveis. O adolescente precisa ter uma solidez familiar, para está completamente imune. Não creio, que a escola tenha por si só, poder para proteger o jovem do vício, pois a questão tem raízes, que ela não pode atingir. Palestras esclarecedoras são bem vindas, mas não garatem a eficácia.

images (43)

20-Quais os principais sonhos e desafios dos adolescentes hoje? O que mudou e poderá mudar?

R – O sonho universal de todo ser humano é ser feliz. O que representa a felicidade para cada pessoa varia muito. O sonho particular de cada jovem resume-se num projeto de vida, aonde inclui realização profissional e afetiva; uma família estruturada com filhos bem assistidos, casa própria, carro, viagens, bom ciclo social. Para muitos, esses projetos não saem do sonho, pois as dificuldades são imensuráveis. Os desafios iniciam se o jovem não tem uma família estruturada, pois a falta dessa estrutura, já tira o foco do jovem. Muitas vezes ele precisa vencer a falta de possibilidades de estudo, falta assistência digna à sua saúde, o que representa falta de respeito à sua condição de ser humano. O leque de desafios é grande. O que mudou mesmo de décadas para cá, foi a família. Hoje, a maioria das famílias, não sabem educar os seus filhos e ficam responsabilizando o governo, a escola, os amigos dos filhos…

o_melhor_viver_familia

O que precisa mudar? A família: Precisa-se resgatar a família com valores indispensáveis ao bom desenvolvimento de um cidadão. Sei que alguns, podem achar que eu deveria falar da auto-estima, mas como esse ponto tem verso e reverso, não dá para generalizar.

21- Como a senhora vê as coisas sobrenaturais, a espiritualidade?

R – Sobre as coisas sobrenaturais, eu não tenho conhecimento que seja capaz de embasar qualquer opinião. Quanto à espiritualidade, é de extrema importância na formação de qualquer pessoa. Todos nós precisamos de uma base religiosa, para pautar a importância da humanização. A pessoa não precisa de uma religião para se espiritualizar; a religião é apenas um parâmetro para facilitar esse desenvolvimento interior. Ser espiritualizado fala de uma ligação com o plano divino e isso todos nós precisamos.

espiritualidade_e_religiao

22 – O que é regressão?

R – A regressão é um sistema de trabalho, que utiliza técnicas que fazem o paciente retornar a algum período já vivido.

23- Quais são as indicações para que alguém realize uma regressão?

R – A regressão é usada com o objetivo de sanar traumas, que deixaram sequelas graves no psiquismo da pessoa.

24- Como a regressão pode ajudar as pessoas a saírem de crises pessoais, emocionais e amorosas?

R – A regressão ajuda na elucidação de traumas: O paciente entra em contato com o episódio vivido, revivencia toda a emoção pela qual passou naquele momento passado, e aí, o psicoterapeuta trabalha esse conteúdo no momento presente.

25- De que forma a regressão pode estar ligada  à espiritualidade?

R – Não tem nenhuma ligação.

regressao

26- Como funciona a terapia de casais?

R – A terapia de casais é feita pela conscientização, que tem como objetivo fazer cada um conhecer a sua postura na relação, e a partir daí, promover as mudanças em ambos, com relação ao outro.

26 – Quais os benefícios da terapia familiar?

R – Todos, desde o resgate do respeito de seus membros, até o restabelecimento de harmonia, indispensável para a paz de todos.

359478-terapia-com-casais

27 – AS PROSTITUTAS NUNCA BEIJAM SEUS CLIENTES, COMO A SENHORA VER HOJE, MOÇAS, QUE EM BALADAS “FICAM” COM QUATRO, OU MAIS RAPAZES, BEIJANDO, ISSO FAZ PARTE DA NOVA SEXUALIDADE?

tumblr_m13a193nVH1qkmxiko1_500

R – Não vou entrar no mérito das moças que fazem do sexo seu meio de vida. Quanto às moças que ficam com vários rapazes numa balada, isso revela uma busca, que nem elas mesmas sabem o que buscam… Estar na moda? Parecer moderninha? Impressionar os garotos? E aí? Alguém sabe? Não, claro que ninguém sabe! Mesmo com a nova “onda” do “ficar”, não justifica essa experimentação excessiva. O “ficar” significa, estar com alguém sem compromisso, mesmo sendo um relacionamento; isso é válido, pois o casal se respeita, apenas não querem compromisso. Essa “pegação” toda, nada tem a ver com “nova” sexualidade, tem a ver com equívoco de valores.

galerandoficar

28- É NORMAL, HOJE, EM BALADAS, A INGESTÃO DE ENERGÉTICOS COM BEBIDAS ALCOÓLICAS, ISSO, A MÉDIO E LONGO PRAZO PODE TRAZER ALGUM DANO AO CÉREBRO?

R – Olha, qualquer excesso de álcool, é prejudicial à saúde, principalmente associado a substâncias excitantes, que tem efeito contrário à do álcool. O álcool é depressivo do sistema nervoso central, já o energético é excitante. Ora, se o organismo precisa de descanso, e o energético o coloca sempre em estado de alerta, com a frequência, vai haver danos ao organismo sim, como confusão mental, estresse, depressão; não devemos esquecer que primeiro sofrerá será o fígado, um órgão vital. Essa extravagância feita de forma esporádica, não me faz crer que faça mal.

18ci160a-energeticos

29-HOJE, É NORMAL O RAPAZ LEVAR A SUA FICANTE, OU NAMORADA, E VICE-VERSA, PARA AS SUAS CASAS, O QUE HÁ DE SAUDÁVEL NESSE TIPO DE COMPORTAMENTO? EXISTE UM LIMITE A SER IMPOSTO PELOS PAÍS?

R – Atualmente essa prática é comum e resulta de uma revolução cultural, pela qual passou a sociedade. Dentro de um ponto de vista bem realista, os jovens não irão deixar de se encontrarem, só porque não é permitido, levar o parceiro para casa; essa é uma realidade patente. O que tem de positivo nesse novo comportamento é a segurança dos jovens; em casa estarão mais protegidos, do que qualquer outro lugar. Para os pais é mais tranquilo saber que o filho está dentro de casa do que, sabe-se lá aonde. O limite a ser imposto vai depender exclusivamente dos pais; não dá para alguém de fora, estabelecer regras no seio de uma família.

30- DE QUE FORMA, A SENHORA ACONSELHARIA AOS PAIS, A FALAREM COM SEUS FILHOS SOBRE SEXO, DROGAS E PREVENÇÃO?

R – Muitos pais, ainda, tem tabus em falar sobre sexos com os filhos. O mais confortável é ser franco e verdadeiro. Não tem que enfeitar nada e nem dá voltas. Responda o que lhe é perguntado! Satisfaça a necessidade dessa informação e ponto! Não vá além do que foi perguntado. Quanto à prevenção, se os pais perceberem necessidade de informar, podem eles mesmos tomar a iniciativa, falando de forma direta, clara e objetiva.

Sobre as drogas, é um assunto que tem que ser conversado desde cedo: O cigarro é droga, o álcool é droga, maconha é droga; o leque é vasto para se falar sobre todas as conseqüências. Na verdade, os pais se sentem com o compromisso de conversar sobre esses assuntos com os filhos, mas hoje os jovens são muito bem informados, pois a nomenclatura sobre o assunto é vasta.

31- EXISTEM HOJE, EM GRANDE SUA GRANDE MAIORIA,  HOMENS, RAPAZES CONSIDERADOS SOCIOPATAS, ISSO PROCEDE? AFINAL, O QUE É E COMO RECONHECER UM SOCIOPATA?

R – Bem, até aonde eu tenho conhecimento, a sociopatia não tem números alarmante, como a pergunta quer parecer. Não se deve confundir a sociopatia, com o psicopatia.  A sociopatia, ou Transtorno de Personalidade Anti-social, está ligado à modalidade da perversão e, se caracteriza por comportamento impulsivo com afetação, desprezo por normas sociais, indiferença aos direitos e sentimento dos outros, apresenta egocentrismo. O sociopata, gosta de chocar os outros com a sua conduta e é capaz de andar sem roupas em plena luz do dia, masturbar-se em público, ou exibir sua genitália propositadamente. O sociopata, é reconhecido pelo seu comportamento, pois é sempre afetado.

images (45)

32 – A SOCIOPATIA TEM ALGUMA LIGAÇÃO COM DISTÚRBIO DE CONDUTA?

R – A sociopatia, é um distúrbio de conduta.

psico

 

33 – COMO SE RECONHECE UMA PESSOA EXTROVERTIDA?

R – A extroversão é uma característica da personalidade de pessoas, que tem ligação maior com o exterior. São expansivas, gostam de rodas sociais, gostam de serem percebidas e não sabem viver só.

34- QUAL A DIFERENÇA DA EXTROVERTIDA E INTROVERTIDA?

R – A diferença entre o extrovertido e o introvertido, é o modelo citado acima, como uma pessoa que é comedida, mais ligada ao seu interior, reflexiva e consegue estar só.

35- QUAL A SUA DEFINIÇÃO PARA A DEPRESSÃO E QUAL A LIGAÇÃO DA DEPRESSÃO COM O ESTRESS? QUE RISCOS TRAZEM A NOSSA SAÚDE?

R – Existem dois tipos de depressão: A depressão reativa e a depressão orgânica. A reativa é resultado de um episódio vivenciado pela pessoa: Morte de ente querido, término de uma relação, perda de emprego, mudança de cidade e etc. Essa depressão, tem um tempo para acabar, se permanece além dos 6 meses, faz-se necessário a ajuda de um profissional especializado, pois tornou-se patológica.

A depressão orgânica é grave, de fundo genético e não tem cura. Essa modalidade de depressão caracteriza-se, por uma prostação profunda, sem melhora em momento algum e nesse caso, os sintomas podem ser amenizados com medicamentos. É necessário acompanhamento médico e psicoterápico constante, e por toda a vida, se o paciente quiser ter alguma qualidade de vida.

A depressão em qualquer sentido é perigosa, pois poderá levar a pessoa ao suicídio. Tanto o estresse poderá levar à depressão, como a depressão poderá levar ao estresse, dependendo do desgaste que envolver a situação.

images (46)

36- MUITOS JOVENS, HOJE SE DEFINEM EM “TRIBOS”, MAS EXITE UMA CHAMADA EMO, QUE SE ENTITULAM COMO BIPOLARES, QUE LIGAÇÃO UMA COISA TEM COM A OUTRA, OU BIPOLAR NADA TEM A VER COM EMO?

R – Essa de se definirem em tribo, é uma forma diferente de designar grupos: os jovens são muito criativos e ficam inventando coisas para serem diferentes, chamar atenção e muita coisa acaba virando uma ideologia. Até aí tudo bem!

emo

EMO é um gênero musical do grupo do Rock, caracterizado pela musicalidade melódica e expressiva e surgiu no ano de 2000. Já os Emos como tribo urbana, caracterizam-se pela forma extravagante dos seus integrantes, de se vestirem e se adornarem. A música dos Emos tem som pesado, em letras românticas. Eles se intitularem bipolares, é apenas uma designação, pois o distúrbio bipolar é uma doença grave e faz parte da família das psicoses. É genética e não tem cura. O distúrbio bipolar só se diferencia da depressão orgânica, porque ele tem a depressão e a mania. Como se ver, nada tem a ver com o bipolarismo dos Emos.

37 – EXISTEM PESSOAS, QUE SE DIZEM TÍMIDAS, QUE SENTEM BLOQUEIOS AO SE RELACIONAREM, AFINAL, O QUE É TIMIDEZ E COMO LIDAR COM ELA?

R – A timidez é resultado de um sentimento pejorativo que a pessoa aprende a fazer de si mesma, baixando a sua auto-estima, deixando-a sem autoconfiança. A timidez se apresenta em graus variados, e assim dá para dizer que, a maioria das pessoas, em algum momento de suas vidas, sentiu timidez.

A timidez está enraizada no medo, na vergonha desmedida de ser percebido, de ser notado, medo de ser humilhado, de ser ignorado. O tímido é um grande sofredor. A timidez severa, é altamente prejudicial, pois ela se transforma numa barreira difícil de ser transposta, tornando-se um obstáculo, para o sucesso em todas as áreas da vida, quer profissional, quer afetiva e social. Não tem como lidar com a timidez: Ela precisa ser tratada.

Por ser parte do caráter e não do temperamento, existe tratamento através da psicoterapia. O caminho, é descobrir a causa e desmistificar todos os conceitos que envolvem a questão, com elaboração dos sentimentos do indivíduo para consigo mesmo.

38 – O QUE É UMA PESSOA ANTI-SOCIAL: TRATA-SE DE UMA ESCOLHA OU DE UM DISTÚRBIO?

R – A pessoa anti-social é portadora de um distúrbio, como foi visto numa pergunta anterior; ela não escolhe ser doente.

39 – O Brasil é o único país do mundo que Transexual é tratado como “DOENTE MENTAL”. O nome bonitinho disso é “Distúrbio de Identidade de Gênero” qual a sua posição a respeito desse assunto?

transsexualjo6

R – Eu, particularmente, não reconheço nenhum dos termos como válidos, para designar o transexual. O termo distúrbio, caracteriza doença, e eu não os considero doentes. Para mim são pessoas normais, com vontade própria, que fizeram e fazem de suas vidas, o que julgam melhor para si. Essas pessoas estudam, tornam-se profissionais, trabalham e, portanto produzem, pagam impostos. Para mim, não passam de seres humanos, como eu e todo mundo.

40 – Como a psicologia ver as uniões homo-afetivas?

R – Não posso falar pela psicologia, pois assim, eu estaria generalizando um ponto de vista, que é pessoal e particular. Eu, como pessoa e como profissional da psicologia, considero que, se as pessoas se unem para serem felizes, sou absolutamente a favor, pois a felicidade é um direito de todos. Se foi através dessa união, que a encontraram a felicidade, que sejam realmente felizes para sempre.

tantra-para-homossexuais

41 – Se um homem entrar no seu consultório e disser que sabe que é gay, sente desejo por outros homens, só precisa de ajuda para assumir perante a família e os amigos, como poderá ajudá-lo?

R – A pessoa tem que entender, primeiramente, que ser homossexual, não é uma opção como muito se ouve por aí; é uma condição. Se a pessoa quiser viver livremente a sua condição é um direito dela; isso ela tem que ter bem claro na sua cabeça, pois o problema não está em ela assumir, e sim em quem vai ou não, aceitar. A pessoa que não estiver aberta à aceitação, nenhum discurso vai ser melhor, ou pior do que o outro. Mas, se a pessoa tiver receio de chocar, aconselho iniciar a conversa pela mãe, e depois já com a ajuda dela, segue com o restante da família. Amigos? O que for amigo continuará sendo amigo: Não precisa de preocupação com esse grupo.

129_613-aneis

 

42 –  Quantas pessoas a senhora já ajudou a lidar com a sua orientação sexual?

R – Em 36 anos de profissão, não dá para lembrar; perdi a conta.

PQAAAOxXM0sxp7lGjgZFLIyewSAyxpS2kK9ySxmfeQyruHgf25E-qQKDB0lxmFbMZepn5Cc16wLFaAGNFMwi0HUahAAAm1T1ULVPdvUv7xqZnT3gGFlC8lxVoo6e

43 – O que a senhora faria se tivesse um filho gay?

R – Os meus filhos são as pessoas que mais amo e respeito na vida. E para eles eu desejo o maior bem que Deus deixou para o homem: A felicidade. Se algum deles fosse homossexual, não seria diferente; os amaria e os respeitaria do mesmo jeito.

44- As crianças de hoje são mais maduras?

R – Os estudos científicos indicam que o homem não utiliza nem 10% da sua capacidade mental, portanto a criança de hoje não é diferente das crianças de antigamente, o que mudou foi o mundo. Hoje, desde cedo, a criança recebe uma infinidade de estímulos, que em outras eras não existiam e com isso a criança tem a oportunidade de ter a sua capacidade mental mais estimulada, e, consequentemente aumentada, que pode ser traduzida em mais inteligência, mais maturidade.  A criança que vive em lugares aonde essas possibilidades são inexistentes, esse desenvolvimento não acontece. Por outra, o sofrimento amadurece, mas não dá conhecimento, não amplia o horizonte mental.

crianças

45 – Qual a imagem que essa geração tem da mãe?

R – Não dá para garantir como específica de uma geração, esta ou aquela visão que se tem da figura da mãe. A figura da mãe, genericamente, ainda é a mais importante no sentimento das pessoas. Isso pela importância que ela representa, como um ser que cuida de uma vida. A continuação desse valor na vida da pessoa vai depender de como a mãe se faz ver pelo filho e essa visão tem infinitas possibilidades.

mae8

46 – E do pai?

R – Diferentemente da mãe, que a criança nasce com uma ligação forte que é a simbiose, o pai só é percebido pela criança, por volta de um ano, como um ser a mais, que faz parte da vida dela. A figura do pai é de extrema importância na visão, que a criança irá formar, com relação ao mundo, mas nem sempre o pai valoriza o seu papel. É comum certos pais delegarem somente às mães, a responsabilidade de cuidar do filho, o que é um prejuízo para a criança, na sua formação. Então, dependendo de como o pai se porta diante da criança, ela ao longo da vida, irá cristalizar o conceito dessa imagem, não necessariamente específica de uma geração.

548421_359256280846491_133755416_n

47  – As mães ainda sentem muita culpa em deixar os filhos para irem trabalhar?

R- As mães sentem culpa com relação aos filhos em tudo e por tudo. Esse sentimento, resulta de um arquétipo que se encontrar no inconsciente coletivo das mães. O sentimento de culpa em deixar os filhos para trabalharem fora, é apenas mais um, e não vai mudar; a psicoterapia alivia.

Mães-+-Trabalho-1

48 – Que dicas a senhora daria para as mães que precisam trabalhar fora, mas não querem deixar de dar a melhor criação para seus filhos?

R – Primeiro se conscientizar da sua necessidade de trabalhar fora, quer por questão financeira, quer por realização profissional; esse é um direito que ela tem. Buscar uma pessoa para ficar com a criança, que seja de extrema confiança, sobretudo que garanta a integridade física e emocional.  Dar qualidade aos momentos em que estiver com os filhos: Atenção, carinho, laser e etc.

autoestima49 – O que é a autoestima?

R – É o sentimento que a pessoa tem para consigo mesma. Esse sentimento depende do conceito que ela faz de si.

50 – A autoestima é formada no período de 0 até 7 anos, ou a autoestima é sempre construída a vida toda?

R – A autoestima é estabelecida desde o momento em que a pessoa adquire a capacidade de formular conceito de si mesma, independentemente da idade

images (47)

51- O escritor Lair Ribeiro afirma que a autoestima é o principal “talento” ou “pré-requisito” para uma pessoa vencer na vida. Como a senhora encara esta questão?

R – A autoestima pode ser baixa, alta ou exacerbada. Não sei se a autoestima seja o principal “talento”, até por que, autoestima não é talento. Como “pré-requisito”, se ela for alta, ajuda muito, mas também não é garantia. Ela precisa estar associada a um projeto de vida, força de vontade, determinação, foco e, sobretudo, a uma energia vital bem canalizada.

52 – Uma autoestima baixa, na realidade, seria o medo de encarar a vida, as pessoas e o mundo, achando que tudo isto é muito maior do que você?

auto-estima-ii

R – Autoestima baixa, é resultado de um sentimento de menos valia que a pessoa tem de si. Ela julga-se um ser de pouco valor ou ser valor algum.

53 – De quais maneiras os pais acabam, às vezes sem querer, destruindo a autoestima de um filho?

R – Passando para o filho conceitos pejorativos sobre ele, como sendo ele é uma pessoa sem valor, sem talento, incapaz, feia e etc.

autoestima (1)

54 – A autoestima pode influenciar no trabalho?

R – Pode. A autoestima alta influencia positivamente, porque facilita as coisas. Mas, conheço pessoas com autoestima baixa, que conseguiram boa projeção profissional, lógico que com esforço e determinação.

2

 

55 – O professor na escola pode destruir a autoestima de uma criança?

R – Claro que pode: O professor para a criança, é uma figura de poder, pois ele detém o saber, e a criança não tem capacidade ainda de discernir até aonde vai esse poder.

56 – Na fase adulta, um chefe autoritário poderia fazer o mesmo? O que a senhora aconselha aos seus pacientes que estão sob a égide de um chefe autoritário?

R – O resultado desse autoritarismo vai depender da estrutura psicológica do subordinado, que ser for fraca, ele não reagirá e se acovardará diante do medo de perder o emprego, pela insegurança se vai conseguir outro ou não. Esse tipo de postura do chefe juridicamente, designa-se assédio moral, é crime e é passível de processo. O que eu aconselharia? Sem sombra de dúvida, denunciar à justiça.

Fortalecendo-sua-autoestima

57 – Terapeutas especializados na arte da paquera dizem que a autoestima é a principal arma na hora da conquista. O que a senhora acha?

R – A autoestima alta facilita muito tudo na vida da pessoa, mas não é determinante para tudo. Na minha concepção, não existe fórmula para a conquista, pois o alvo da conquista é um ser humano, e, portanto, o que funciona para uns, poderá não funcionar para outros, pois o ser humano é infinitamente diferente do outro, por mais sutil que seja o detalhe.

58 – Qual é o maior vilão da autoestima?

R – Primeiramente, a pessoa não saber lidar consigo mesmo, depois se autoestima for exacerbada.

397521_302157946554255_733065753_n

59 – Uma pessoa com baixa autoestima teria problemas em todas as áreas da vida ou não?

R – Não necessariamente, pois vai depender de como ela vai lidar com esse déficit.

60- Seu pensamento, ou frase preferida?

R – Acreditar sempre no seu potencial de ser feliz. O resto é sobra.

61- Para finalizar, que orientação deixaria para as pessoas que visitam o nosso Blog?

R  – Saibam aproveitar nos mínimos detalhes, tudo que o blog possa lhe oferecer.

104 (1)

Você pode acessar a Psicóloga Lionete Ladeira pelos contatos:

 

lsl2301@yahoo.com.br

Celular: (98) 82669999

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: