SABER DAR E RECEBER!

 

“O Universo opera através da troca dinâmica… Dar e receber são aspectos diferentes do fluxo de energia no Universo. E, em nossa disposição de dar aquilo que buscamos, nós mantemos a abundância do Universo circulando em nossas vidas.”

Deepak Chopra

Para compreendermos, perfeitamente o ciclo de dar e receber, nós devemos começar primeiro avaliando alguns conceitos e crenças relacionados ao dinheiro e às posses, que nos são passados ao longo dos anos de nossas criações. Vamos começar compreendendo a função do dinheiro, retornando aos velhos dias, lá atrás, antes que o conceito de dinheiro fosse concebido, aonde era usada a troca. Acordos tais como: “os meus bens, em troca pelos seus bens”, funcionaram muito bem por algum tempo. As pessoas naquela época estavam tanto dando como recebendo e dessa forma, a energia do dinheiro era circulante, diferente de agora. Mas, enquanto a civilização evoluía e mais bens e serviços se tornaram disponíveis, surgiu um novo problema… E se eu quisesse as suas tangerinas, mas você não estivesse interessado no que eu pudesse lhe dar em troca? É por isto que a invenção das moedas e do “papel moeda”, ou notas, se tornou uma necessidade para ajudar a resolver este dilema. Enquanto o tempo passava, o dinheiro se tornou a ferramenta universalmente conhecida para o intercâmbio de mercadorias e de serviços.

A propósito, quando compreendemos a verdadeira função do dinheiro, a ideia de que o dinheiro é a raiz de todo o mal, se torna insustentável. A verdade, é que o dinheiro é uma necessidade, uma ferramenta coletiva para trocar bens e serviços. Isto, portanto, ajuda a todos nós prosperarmos.

Muitos cresceram com a crença de que a abundância monetária e a espiritualidade, não podem coexistir. Esta ideia cria um estado dividido da mente; um ciclo incompleto de dar e de receber, o que torna difícil, alcançarmos os nossos objetivos financeiros. Por um lado, a nossa mente consciente, deseja que nos libertemos das preocupações financeiras. Por outro lado, a nossa mente subconsciente, faz votos de nos manter fielmente conectados ao nosso ser espiritual. Entretanto, a espiritualidade e a riqueza monetária, não deveriam ser mutuamente exclusivas. O dinheiro é uma fonte de energia, que deve trocar de mãos para criar o equilíbrio e a prosperidade. Manter o dinheiro com o único propósito de acumulá-lo, somente criará um desequilíbrio, tal como quando colocamos mais peso em um prato de uma balança. Assim, o dinheiro é como uma chave poderosa, que pode abrir muitas portas. E como uma chave, ela não é nem positiva e nem negativa por si só. Nós decidimos quais portas devemos abrir. Nós decidimos quais valores colocamos no dinheiro, com base em como o adquirimos e como o usamos. Isto pode ser facilmente compreendido. Entretanto, um aspecto importante, que influencia ainda mais os valores que colocamos no dinheiro, se encontra em nosso sistema de crenças, praticamente, votos de pobreza que nos induziram a fazer, inconscientemente.

É esta crença que cria as associações subconscientes entre o dinheiro e a moral. E é onde muitas pessoas têm bloqueios, que impedem a criação da abundância. Percebam, que as nossas crenças não estão baseadas na verdade universal absoluta. A verdade difere de uma pessoa para outra, de acordo com o condicionamento pessoal e os eventos da vida. Em outras palavras, o que eu quero dizer, é que a verdade depende da pessoa que a experiência. É por isto que alguns têm muito, enquanto outros, não tem nada. Em muitas ocasiões, vocês já devem ter notado, que a abundância financeira não se relaciona à educação ou às mentes de gênios, mas aos sistemas de crenças que regulam as vidas e, os resultados, daqueles que criam a abundância, ou não. Portanto, o modo com que interagimos e usamos o dinheiro, reflete os nossos pensamentos e ideias de acordo com as crenças de nossa existência, as quais, muito provavelmente, são diferentes daquelas de outros. A boa notícia, é que as crenças não são permanentes. Elas são bem maleáveis. Nós podemos nos libertar das crenças que não mais nos servem e substituí-las por crenças, que favoreçam, efetivamente, a nossa prosperidade.

Vocês podem ganhar um dólar fornecendo um serviço útil, ou vendendo aparelhos sem valor. Do mesmo modo, vocês podem usar o mesmo dólar que vocês ganharam para ajudar a uma pessoa carente, ou adquirir algo somente por razões egoístas…  É o mesmo dólar, mas é tudo uma questão de escolha. Sua escolha!

Quais são as suas crenças em referência a ganhar e a usar o dinheiro após terem lido estas afirmações? Baseados nisto, quais crenças escolherão para implantar em sua mente?

Sim, o dinheiro nos proporciona os meios para obter as necessidades básicas para vivermos, tais como o alimento, o vestuário e um teto sobre as nossas cabeças, mas, ele, também, nos dá a habilidade de contribuirmos com uma causa digna. Assim, o dinheiro, também, nos concede a paz da mente, um estado essencial para vivermos uma vida espiritual e abundante. Sonhem um pouco. Comecem a pensar em todas as coisas boas que vocês poderiam fazer com uma abundância de dinheiro. Convençam-se do seu poder de fazer o “bem” com o dinheiro, porque isto é o que vocês escolhem acreditar e o que querem fazer. Vocês estão escolhendo este caminho com base no livre arbítrio. Este é o primeiro passo para a compreensão que ter dinheiro em abundância e ter uma vida espiritual, podem, realmente, acontecer simultaneamente.

Acondicionem estes últimos pensamentos, se o dinheiro for um símbolo de energia usado para a troca. Quando trocamos dinheiro relacionado a algo de valor, nós participamos do movimento de energia positiva e da criação do ciclo de “dar e receber”, que prosperam outros, enquanto nós prosperamos. O resultado, é que todos nós prosperamos juntos. Vamos, também, nos lembrarmos de que cabe a cada um de nós, decidir como usar este dinheiro, assim como que significado lhe damos. A maior parte de nós, se sente melhor quando o dinheiro chega do que quando ele sai. Não e mesmo? Paradoxalmente, em nossos esforços do dia a dia, nos sentimos muito melhor quando damos do que quando recebemos. Isto é porque nos foi ensinado, desde uma tenra idade, que é mais gracioso dar do que receber. Em alguns casos, estes ensinamentos podem ir tão longe, a ponto de nos fazer acreditar que receber está ligado ao egoísmo. Isto cria um conflito interno e produz obstáculos a um nível subconsciente, que podem impedir a nossa prosperidade. Além disto, não podemos passar a vida apenas dando. Eventualmente, nós terminaremos nos sentindo vazios…

Portanto, o único meio de criar a abundância na vida, é regulando a dinâmica de dar e de receber nos dois níveis, consciente e subconsciente. Quando atingimos o equilíbrio, nós criamos a abundância e a prosperidade em nossas vidas e nas vidas daqueles a nossa volta. O ciclo de dar e de receber pode, então, realmente, fluir eternamente. A analogia a seguir ajudará a esclarecer isto. Cada vez que um fazendeiro planta uma semente, ele está começando o ciclo de dar e receber. O fazendeiro, está, realmente, dando uma semente à Mãe Natureza com a plena expectativa de receber algo em troca, senão ele não faria isso, correto?

Em seguida, ele cultiva a colheita e colhe a safra. Ele deu e sabe que ele receberá. A Mãe Natureza, dá novamente o fruto, o que coloca o fazendeiro no final da equação de receber. Então, ele começa tudo novamente, com a intenção de receber durante a próxima estação da colheita. É assim que ele participa e desfruta do ciclo da vida, assim como o Planeta Terra gira para nos dar o dia e a noite.

O cenário anterior, cria outro ponto importante. Para começar a receber, nós devemos primeiro dar. Cabe a cada um de nós iniciarmos o ciclo de dar e de receber. E uma vez que nós damos, nós devemos receber. Tudo isto depende da semente que plantamos. Ninguém plantará uma semente esperando nada colher e, isto, não é diferente para vocês e para mim, referente ao dinheiro. A verdade é que o mesmo vale para tudo na vida. Quando semeamos amor, nós recebemos afeição, quando semeamos trabalho, nós recebemos a remuneração, quando semeamos bondade, nós recebemos simpatia, quando semeamos a paz, nós recebemos a tranquilidade…

Isto contribui com o Equilíbrio Universal, assim como o equilíbrio existe através dos opostos, tais como quente e frio, luz e escuridão, riso e tristeza, em cima e embaixo, a saúde e a doença, e a lista continua imensa…Portanto, dar e receber são ambos, partes da mesma equação. O ato de dar e de receber cria um ciclo e um equilíbrio saudável ao mesmo tempo. A filosofia Chinesa, chamada de Tao te Ching por Lao Tsu, escrita durante o Século 3 A.C., explica como todas as energias no mundo, estão equilibradas em igual medida. Nós podemos encontrar o mesmo equilíbrio no símbolo Yin e Yang. Assim, o ato de dar e de receber, inicia uma troca de energia, que garante o equilíbrio necessário para o ciclo financeiro fluir facilmente de mão a mão. Quando as coisas saem do equilíbrio o que conseguimos é a desarmonia, a discórdia, o conflito, a carência e a limitação, entre outros efeitos indesejáveis. Dar e receber, é uma via de mão dupla!

Como com cada coisa na vida, a atitude é tudo. Quando vocês derem, sempre se lembrem de colocar um sentimento de alegria naquilo que vocês estiverem dando. Certifiquem-se de saberem, sem sombra de dúvida, que vocês receberão em breve, de acordo, pois vocês iniciaram o ciclo de “semeadura-colheita”. À medida que vocês derem se tornarão o instrumento, que transmite energia positiva. Por sua vez, vocês receberão mais do mesmo.

O seguinte mantra, retirado do treinamento dos “cidadãos”, ressoa perfeitamente com esse artigo. Repitam-no em silêncio, enquanto vocês estiverem dando: “A minha prosperidade prospera aos outros. A prosperidade deles me prospera!”

Finalmente, certifiquem-se de darem de coração e com convicção. O resto, cairá no lugar adequadamente. O Universo opera através da troca dinâmica… Dar e receber são aspectos diferentes do fluxo de energia no Universo. E em nossa disposição de dar aquilo que buscamos, nós mantemos a abundância do Universo circulando em nossas vidas.

Venho, nos últimos dias, contemplando essa questão do dar e do receber…Sinto que ela está, profundamente, arraigada na mente humana e precisa muito de contemplação e de transformação.É muito comum querermos receber mais do que estamos dando. Vejo muitas pessoas reclamando: “eu dou, dou e dou e não recebo nada em troca”…Por outro lado, conheço algumas pessoas que estão sempre dando e nunca lhes falta nada, estão sempre em estado de abundância e gratidão. O que acontece, é que nos baseamos no ego para fazer essa medida de quanto damos e quanto recebemos. Quando conseguimos sair disso e entramos na frequência do amor incondicional, sentiremos, que algo sutil e muito precioso acontecerá. A energia simplesmente fluíra, e não importa mais se damos, ou se recebemos, essa noção se dissolve no amor.

No fundo dar e receber são a mesma coisa, pois acontecem ao mesmo tempo. Enquanto estou dando com uma mão, estou recebendo com a outra. Quando nos conectamos com a energia Divina, com o coração, não diferenciamos mais as duas atitudes, porque elas são partes de um só, de um todo, do movimento, que é o movimento da entrega ao fluxo e de saber a medida certa das coisas, de saber ouvir as próprias necessidades e as necessidades dos outros, sem contabilizar, sem cobrar. E entender, profundamente, cada momento e cada pessoa, assim como são.Para chegarmos a esse ponto, é necessário um esforço no sentido de reconhecermos nossas tendências de comportamento socialmente criadas, as culpas que carregamos por influência da nossa educação e de todo o egoísmo e competição, que a sociedade ensina. Precisamos nos corrigir, nos curar.

A Cabala nos diz, que o maior erro do ser humano é o desejo de receber só para si mesmo. E que temos que ser ao mesmo tempo receptores e emissores, sair do ego que quer apenas receber. Edward Bach, médico inglês que desenvolveu o primeiro sistema de florais, ensinou que: “precisamos estar atentos principalmente ao darmos assistência aos outros, não importa quem eles sejam, para que estejamos seguros de que a vontade de ajudar advém dos desígnios do Eu Interior e não de um falso sentido de dever a partir da persuasão de uma outra personalidade dominadora.”

No livro The Alchemy of the Desert, Cynthia A. Kemp Scherer, produtora dos florais do deserto, diz que se não dermos incondicionalmente, não conseguiremos receber; e que se não recebermos incondicionalmente, não podemos aceitar a abundância que o Universo tem para nós. E, também, que a nossa capacidade de receber está intrinsicamente relacionada com a nossa autoestima. Podemos receber na mesma medida em que nos amamos. Nelson Mandela escreveu algo fantástico sobre o medo que temos de nos mostrar, de nos doar para o mundo. Temos medo de nossa luz, achamos que não temos nada para contribuir. Mas temos, e muito!

Estas são considerações importantes sobre o tema, e é na vivência de cada um, na abertura do coração para o fluxo de abundância, que poderemos sentir esta gigantesca massa de energia positiva, gerada a partir dessa nova consciência. O passo pode ser dado por qualquer pessoa, a qualquer hora e em qualquer situação. É só uma questão de olhar a situação de uma maneira diferente e com generosidade, perceber que somos todos partes de um mesmo todo e que ajudando os outros estaremos ajudando a nós mesmos e vice-versa.

O fato de oferecer algo sem esperar nada em troca é conhecido como altruísmo. No entanto, até que ponto podemos dar sem receber?

É realmente justo?

Não se esqueça de que tudo nesta vida tem “ida e volta”. Talvez, hoje, você não obtenha nada pelo que fez, mas, amanhã, receberá a sua recompensa.

O fundamento mais importante da reciprocidade está baseado no fato de tentar devolver, POR GRATIDÃO, o que outras pessoas nos deram antes. Para poder compreender um pouco melhor isso, talvez devêssemos utilizar uma explicação que nos leve à antiguidade: O homem tem tido que compartilhar para poder sobreviver. Desde conhecimentos até ferramentas, comida ou abrigo, sempre a solidariedade de uns foi a maneira que outros tiveram para continuar a viver. Tudo flui de maneira contínua no Universo, por isso acredite: dar e receber são atitudes exemplares para quem quer garantir a magia das trocas em uma vida abundante. Diariamente, procure dar presentes a quem encontrar e veja a energia fluir livre, leve e solta entre os dois pontos. Não importa o quê, mas a intenção!

Pode ser uma palavra; uma oração; uma flor; um sorriso. Com isso, incentivará a circulação de energia, trazendo abundância e riquezas para si e para o outro. Esteja sempre aberto para receber algo que lhe deixe feliz: presentes, dinheiro, cumprimentos, orações. Agradeça as belezas que a natureza proporciona, como a luz solar; as flores; o barulho do mar; o canto dos pássaros. Ao dar e receber, faça circular as riquezas materiais e imateriais em sua vida. Em silêncio, sempre deseje felicidade e alegria a quem encontrar.

Quer alegria? Dê alegria.

 Quer amor? Dê amor.

 Procura atenção? Dê atenção.

Lógico, que sempre devemos estar atentos aos “ESPERTALHÕES”, sabe, aqueles que, mansamente, recebem, querem continuar a receber, mas sempre inventam e prostituem as dádivas recebidas. Esse tipo de pessoa, é muito fácil de reconhecer, normalmente, no primeiro sinal de dificuldades, eles inventam mil motivos para não contribuir, somem, tão logo assim as dificuldades aparecem e, só retornam, quando precisam de você outra vez. São pessoas, que não tem o menor caráter de cuspir no prato que comeram e muito menos, a vergonha de voltar a comer no prato que cuspiram. Muitos sequer, sabem dizer um muito obrigado, aparecer, ou comunicar suas vitórias esquecidos que são, de que cedo, ou tarde, voltarão a beber da mesma fonte!

Então, não tenha medo, nem de dar, nem de receber, mas quando o fizer, o faça de coração. O Universo nos vigia constantemente e não aceita manipulações, enganos, mentiras, portanto, cuidado, ao deixar de fazer aquilo que pode, pelo simples fato de ter medo de não receber! Não estou dizendo para todo mundo sair dando o seu último dinheiro, o seu último prato de comida, nada disso, estou dizendo, que quando der, o faça DE CORAÇÃO e quando receber, SEJA GRATO. Isso fará bem não só à sua vida, como a de todas as pessoas com as quais você convive e que um dia poderá vir a precisar.

Dar com o coração e receber com gratidão, são atitudes nobres, que nos fazem portadores de boas novas e gigantes como seres humanos. Não perca essa oportunidade, que está aí na sua frente de se tornar um ser humano próspero, feliz e gerador de energia criativa!

Simples assim!

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: